Posts

Showing posts from May, 2017

conversa com um despachante

Image
conversa com um despachante


não vale mais reiterar que o brasil é um país jovem que nossa democracia ainda se apresenta frágil porque nossa história é recente e periférica e infante e o que mais você quiser enfiar no escopo

comparada às velhas democracias a nossa seria adolescente (o discurso dos patriotas grisalhos) não vale mais insistir nessa coisa, infanção

o brasil é um país ultrapassado envelheceu a contrapelo dessa juventude de fachada festejada como um traço essencial do gênio da nação

o brasil não envelheceu agora com o golpe, não

sua velhice chegou já há algum tempo e chegou arrastando os predicados de sempre levando à esquerda e à direita a resignação a retórica o acordo a negociação a teimosia a autoridade a estabilidade o medo o frio a formalidade o controle

o brasil envelheceu socialmente envelheceu politicamente

indo para diamantina, 2016

Image
entre montanhas o jequitinhonha serpeia exsurge às vezes a areia branca do leito
depois o perpétuo eucalipto enquanto um quietar ventoso embrulha a intervalos o barulho de carros e caminhões
ladeados pelo barro carmim que sobe as encostas


jazz bruto: o cálculo do acaso

Image
[ https://www.galeria33.com/karl ]


jazz bruto: o cálculo do acaso


as naves pictóricas de fernando karl nos facultam o mais íntimo maroceano decupado no transe de plano e contra-plano exigido ao écran:

a determinação para o fortuito o olho sempiterno que se deixa mirar por entre as lâminas da espessura o desenho com intenção alfabética mais negaceio que promessa ou melhor o desenho musical ou ainda a metáfora obsessiva da música calada que gosto de vislumbrar na pintura do poeta fernando karl na poesia do pintor fernando karl

os lances fictos os fastos brutos de sua pintura (clave de leitura) jazzística tempestade de um poeta diserto

um, dois, três poemas

Image
mais que tropeço sanhudo a onda rompe o próprio centro para produzir esse acorde áspero e forte
bem acima sem que se dê por isso jungidas ao azul recurvo nuvens num turbilhão talhado   surdo
03 de fevereiro de 2012



o marido velho à sombra fulva desses sentimentos de amor
a testa — fruto ácido e fungível que oscila — se inclina
forçado em suplícios que o fatigam medita a música calada e irascível
de uma meia confissão que lhe sai ao preço de ficta vulgaridade

04 de fevereiro de 2012



pânicas umbelas de beira- praia (três verões mais tarde) embicadas contra o barbatanear do vento
uma pálpebra de luz ( pano ligeiro) dessigila a realidade mais à mão
05 de fevereiro de 2012