roteiro de leitura





Gregório de Matos e Antonio Vieira
(Dimensões do Barroco)


Dante
(pelo menos 3 Cantos, um de cada estação da viagem através do reino dos mortos; ler como diálogo intertextual o poema de CDA “A máquina do mundo”)


Oswaldo de Andrade
(em poesia interessa o que não é poesia)


Carlos Drummond de Andrade
(“Claro Enigma”)


Murilo Mendes
(o pensamento como imagem vertiginosa)


Ferreira Gullar
(“Poema Sujo”; ler como diálogo intertextual “Cão sem plumas” de JCMN)


Haroldo de Campos
(o olhar experimental para o passado da tradição)


João Cabral de Melo Neto
(“Educação pela pedra”)


T. S. Eliot
(“Quatro Quartetos”)


F. Kafka
(“O médico rural”)

Comments

Popular posts from this blog

não verbal, poemas

Traducido al español/castellano

brossa: a porta aberta