o traficante de versos







Poema em quadras ao gosto popular composto de versos em redondilha menor (5 sílabas) de Guimarães Rosa. Até aí, tudo bem, pois ele também era poeta. A curiosidade é que Rosa deixou esse poemeto escondido ou dissimulado num parágrafo da novela “O burrinho pedrês”, incluída em Sagarana (1937). O romancista usa as vírgulas para indicar os cortes dos versos. Logo abaixo das estrofes desentranhadas por mim (imaginei essa disposição em quatro quartetos), o parágrafo tal como aparece na integridade textual da novela.


As ancas balançam,
e as vagas de dorsos,
das vacas e touros,
batendo com as caudas,

mugindo no meio,
na massa embolada,
com atritos de couros,
estralos de guampas,

estrondos e baques,
e o berro queixoso
do gado junqueira,
de chifres imensos,

com muita tristeza,
saudades dos campos,
querência dos pastos
de lá do sertão.


As ancas balançam, e as vagas de dorsos, das vacas e touros, batendo com as caudas, mugindo no meio, na massa embolada, com atritos de couros, estralos de guampas, estrondos e baques, e o berro queixoso do gado junqueira, de chifres imensos, com muita tristeza, saudades dos campos, querência dos pastos de lá do sertão...”

Comments

Popular posts from this blog

não verbal, poemas

Traducido al español/castellano

brossa: a porta aberta