meu barato



barato
uma irritação, uma irradiação, essa hostilidade semiótica
com o rame-rame de certa tradição poética aqui e alhures
barato algarávico
e putifar putanheiro de sereias ambíguas
todos os iauaretês urram em sua poesia que extravaza, que
exorbita fragrância de noigandres
barato como bravata ao poema noioso
a poesia não é mais suficiente
o poeta não é mais um sufi
ricardo manda à merda o ágio associado à hagiologia do poeta
lágrimas no olho do peixe morto: “íris-náusea”
barato
viver de
viver a poesia
é uma espécie de miséria
verdadeira “vida bosta” que ricardo pedrosa alves cospe que nem linguagem
sobre os opúsculos líricos da produção dos iguais
em imorredouros metros inumeráveis
a poesia como prova dos nove vezes nada
mas “poemas bons são porrada”
quando habemus poemas
bons

sobre barato afivelo a máscara de
baudelaire mestre (na acepção
em que ezra pound o empregava) e digo, “através de”, o seguinte:
no conjunto de poemas de ricardo pedrosa, o poeta surge sob a figura
do artífice trôpego por mauvaise conscience, o trapeiro
que fuça o moderno da vulgaridade quotidiana (e de sua poesia “correta”)
sob os despojos da sua ideologia e do seu étimo, em busca de um não-eco épico, ou de um outro poema seduzido pelo signo precário e sua entropia;
agora, sim, cito baudelaire:

“temos aqui um homem - ele deve apanhar na capital
o lixo do dia que passou.
tudo o que a grande cidade deitou fora, tudo o que perdeu,
tudo o que despreza, tudo o que destrói - ele registra e coleciona.
coleciona os anais da desordem,
o cafarnaum da devassidão, seleciona as coisas,
escolhe-as com inteligência;
procede como um avarento em relação a um tesouro
e agarra o entulho que nas maxilas da deusa da indústria
tomará a forma de objetos úteis ou agradáveis”.

o poeta-trapeiro de barato, baudelairiano e pedrosiano, mapeia a metrópole
e o campo (o trampo) da poesia do seu tempo,
a partir de um escrutínio pansemiótico, seleciona e combina sintagmas-coisas,
fragmentos,
objetos-antiguidades colecionáveis,
desentranhados pósteros à dissolução do presente,
visando um poema, um modelo de sensibilidade,
um sonho exato, ainda que hard, sob pórticos voluptuosos.





Comments

Popular posts from this blog

não verbal, poemas

Traducido al español/castellano

brossa: a porta aberta