um reiterado falso começo



Em Falso começo Pedro Gonzaga demonstra – ou segue demonstrando seu – adestramento técnico; o poeta conhece os ritmos da tradição do verso livre modernista, o que lhe permite reagir às fraturas excessivas da poesia dos seus contemporâneos de geração que, o mais das vezes, acabam escrevendo uma espécie de prosa disfarçada em versos interrompidos aleatoriamente. Pedro é um jovem poeta que não teme, portanto, “repetir para aprender”, pois sabe que esse é o requisito indispensável na direção de “aprender para criar”. Seus poemas revelam uma voz em tom coloquial-irônico; um lirismo preciso que não capitula ao sentimentalismo votado a seduzir o leitor crédulo. Falso começo se oferece ao leitor como um conjunto de bons poemas que recriam o cotidiano por um viés mais estetizante do que virtuosístico.


Condenação / Pedro Gonzaga

Mais uma vez
verão dos diabos
a carne gentil
mal desvelada
salubre e daninha
a vibração da vida
antes da noite
antes dos insetos
um cheiro de lavanda
só mais uma vez
denunciará meu destino

Comments

Popular posts from this blog

não verbal, poemas

Traducido al español/castellano

brossa: a porta aberta